Seu corpo, sua academia

    

Trabalhei muito em academias, como professor de musculação, e tive várias experiências. Certa vez, observei um aluno que tinha as pernas muito fortes, muito mais desenvolvidas do que o tronco.

Fiquei curioso, então fui até ele e perguntei que tipo de treino ele tinha feito para chegar àquele estágio. Ele me disse que morava em Natal e subia, duas vezes por dia, o Morro do Careca. Bom, aí eu entendi como ele ficou com as pernas tão fortes...

Esse exemplo é para explicar a importância da sobrecarga do próprio corpo nos treinos de musculação. Por isso, se você não pode frequentar uma academia, não tem problema, porque dá para executar os exercícios em casa.

Quer ver? Tente estes:

• Flexão de braços: deite-se com os braços apoiados no chão, a 90 graus. Estenda e flexione, quantas vezes conseguir. Faça 3 séries com 1 minuto de descanso

• Agachamento: em pé, com os braços estendidos na frente do corpo, desça e suba. Faça 15 repetições, 3 vezes

• Barra fixa: pendure-se em uma barra e puxe o corpo para cima, em 3 séries de 8 movimentos. Como esse exercício é difícil, peça para alguém segurar suas pernas durante a execução

• Panturrilha: num degrau de uma escada, fique na ponta, estenda o tornozelo para cima e depois para baixo. Faça 3 séries com 20 repetições

Viu como não é preciso uma superacademia para malhar? Seu corpo pode ser a sua academia. Basta saber usá-lo. Quer mais dicas de exercícios de sobrecarga? Converse conosco


Felipe Sampaio, personal Salus


Levanta-te e anda

    
 
Um dos principais fatores de risco para o surgimento de doenças crônicas e o desenvolvimento da obesidade é o sedentarismo.

Esse termo vem do latim e significa “sentar”. Assim, considera-se um comportamento sedentário o da pessoa que fica sentada assistindo à TV, trabalhando, estudando etc.

Agora, olha que interessante: apenas ficar de pé, mesmo que não esteja realizando uma atividade física, já não é considerado um comportamento sedentário. Isso por que ficar de pé exige contração da musculatura, ou seja, há gasto de energia.

Portanto, jogar-se no sofá não é uma boa ideia. Hoje já se sabe que uma pessoa que passa 10 horas por dia sentada tem 34% mais chance de desenvolver doenças crônicas, em comparação com quem passa somente 1 hora nessa posição.

E é tão simples mudar esse comportamento... Como?

Interrompa os períodos que você fica sentado para fazer uma atividade leve. Por exemplo, a cada 20 minutos sentado, levante-se e caminhe por 2 minutos. Passe mais tempo em pé, evite cair na tentação da cadeira. Fuja de elevadores e escadas rolantes, suba a pé.

Viu como é simples? Basta tornar os seus dias mais ativos, movimentando-se sempre que puder.

Quer saber mais sobre os riscos do sedentarismo para a sua saúde? Acesse: fe.sampaio.

Felipe Sampaio, personal Salus


Não treine sem orientação especializada

    

Quer começar uma rotina de exercícios? Vai correr? Vai usar os equipamentos de musculação da academia do seu condomínio?

Muito bom! Só tem um detalhe: já pediu orientação a um profissional especializado?

Parece simples calçar um par de tênis e sair por aí. Ou puxar ferro sem nem saber o que está fazendo. Mas é aí que mora o perigo...

Você precisa da ajuda de um educador físico para fazer a sua avaliação e verificar seus níveis e limitações de aptidão para uma atividade física. Tudo começa com uma entrevista, um bate-papo em que o profissional especializado fica a par do seu estado de saúde e das suas expectativas com o plano de treino.

A partir daí ele pode orientar a melhor atividade física para as suas características corporais, de modo que você atinja os seus objetivos com segurança.

Saiba mais sobre a importância da ajuda de um profissional, antes de iniciar qualquer atividade física. Acesse: Fe Sampaio

Felipe Sampaio, personal Salus


Alimentos orgânicos. Será?

    

O brasileiro tem cada vez mais consciência da importância de levar uma vida saudável, o que inclui uma rotina de atividade física e uma dieta balanceada.

No prato, a preocupação por produtos livres de substâncias artificiais têm aumentado muito, o que gerou uma procura maior por alimentos orgânicos, ou seja, sem agrotóxicos.

O problema é que você pode estar levando gato por lebre, porque muitos produtores afirmam oferecer esse tipo de produto quando, na verdade, são verduras, frutas e legumes COM agrotóxicos. Pois é...

O mal que a substância causa ao meio ambiente e à saúde é grande. No homem, incluindo os próprios produtores, o risco de intoxicações varia de grau moderado a severo, com náuseas, vômito, dor de cabeça, tontura e suor excessivo, dentre outros sintomas. E olha que esses citados aqui são os leves...

O Programa de Análise de Resíduos de Agrotóxicos em Alimentos (Para), da Anvisa, coletou amostras em todos os Estados brasileiros, em 2011. O resultado da análise? Um terço dos alimentos está contaminado pelos agrotóxicos, sendo os casos mais preocupantes o pimentão, o morango e o pepino. O único produto que apresentou todas as amostras regulares foi a batata. E aí? Vamos viver apenas de batatas? Como ter certeza que um produto é orgânico mesmo?

Em primeiro lugar, informe-se sobre a procedência, dando preferência aos que possuem origem identificada, uma vez que isso aumenta a responsabilidade do produtor em relação ao que ele está vendendo. Mas, para não correr riscos, lave muito bem legumes, frutas e verduras, retirando a casca e as folhas externas. Isso ajuda a reduzir a quantidade de agrotóxicos nos alimentos.

Quer mais dicas para não ser enganado e endereços onde você encontra produtos orgânicos de origem mais confiável? Leia aqui: Fe Sampaio

Felipe Sampaio, personal Salus


Passou dos 30? É hora de intensificar os treinos

    

Com o passar do tempo, as células do nosso corpo sofrem oxidação, um processo que resulta em diversos efeitos ao organismo, como alterações no sistema endócrino, redução na produção de hormônios anabólicos, perda de massa óssea e muscular.

Isso acontece porque nós envelhecemos, simples assim. Após os 30 anos de idade, ocorre um decréscimo progressivo de nossas capacidades físicas. Não é possível reverter o processo, mas dá para encarar a passagem do tempo utilizando a atividade física como uma grande aliada.

Quem possui uma rotina de treinos passa pelo inevitável envelhecimento de forma mais suave e tranquila, porque o exercício atenua algumas alterações decorrentes desse processo, tais como:

• Osteoporose (perda de células ósseas)

• Sarcopenia (diminuição da massa muscular, resultando em flacidez)

• Sistema cardiorrespiratório (perda da capacidade funcional do coração e do pulmão)

• Articulações (ficam instáveis, provocando quedas, fraturas e contusões)

• Açúcares e gorduras (aparecimento de diabetes e dislipidemia)

É preciso lembrar, também, que a atividade física reduz a gordura corporal, diminuindo as suas chances de apresentar uma série de doenças metabólicas.

Moral da história: sempre é importante mexer o corpo, mas é preciso intensificar os exercícios físicos após os 30 anos, se você quiser envelhecer com força, vigor e saúde.

Para mais informações sobre atividade física após os 30, leia: Fe Sampaio

Felipe Sampaio, personal Salus
 


Mexa-se para não ficar doente

    

Um teste rápido, vamos ver se você está por dentro do assunto: atualmente, qual é um dos principais fatores de risco para o desenvolvimento de doenças crônicas?

Se você respondeu “sedentarismo”, acertou em cheio.

Pois é, essa preguiça de se mexer, de fazer uma atividade física contribui para o desenvolvimento de diabetes, hipertensão, doenças cardiovasculares e até alguns tipos de câncer, sendo um fator de risco tão sério para esses problemas quanto a obesidade.

Sabe o que isso quer dizer? Que mesmo estando dentro da faixa de peso considerada normal, se você não se exercita também está exposto aos fatores de risco citados. Enquanto isso, uma pessoa com sobrepeso, mas fisicamente ativa, está eliminando as chances de sofrer algumas daquelas doenças.

Moral da história: é preciso se mexer, e sempre! Não deixe o sedentarismo acabar com a sua saúde. Saiba mais sobre esse perigoso vilão, acessando: fesampaio.com.br

Felipe Sampaio, personal Salus




Os riscos de usar esteroides anabolizantes

    

Ao contrário do que dizem por aí, irresponsavelmente, o uso de esteroides anabolizantes é um perigo!

Os riscos são muitos e o prejuízo é em todo o organismo. Não acredita? Vamos enumerar alguns, então:

1. Sistema muscoesquelético: dentre outras coisas, provoca ruptura dos tendões e hérnia de disco

2. Sistema cardiovascular: causa infarto, hipertensão e morte súbita

3. Sistema hepático: acúmulo de gordura, câncer e coma hepático são alguns exemplos

4. Sistema renal: dentre outros malefícios está a insuficiência renal

5. Sistema nervoso: torna a pessoa agressiva, irritada, depressiva e com pensamentos suicidas

6. Sistema reprodutivo masculino: infertilidade, perda da libido e dificuldade de ereção

7. Sistema reprodutivo feminino: infertilidade, atrofia das mamas, alteração da voz

8. Sistema sanguíneo: derrame e entupimento dos vasos sanguíneos devido à formação de coágulos

9. Pele: queda de cabelo, espinhas, crescimento de pelos em excesso nas mulheres

Esses são apenas alguns exemplos do que o uso de esteroides anabolizantes pode causar à sua saúde. Acredita agora?

Portanto, para melhorar o desempenho do seu treino e a sua aparência física, nada melhor do que uma dieta saudável e uma atividade física limpa, segura e orientada por profissionais especializados. Fale conosco.

Felipe Sampaio, personal Salus